A CABEÇA DE MARIA

nov 25, 2014 | 13 Comentários

A morte de Maria Bonita foi de uma crueldade sem tamanho. Nas Cruzadas da Idade Média a violência era menor. E Santo, assim era chamado o coiteiro de Lampião, virou policial malvado se voltou contra o antigo aliado. Foi ele quem cortou a cabeça de Virgolino. Maria Bonita baleada e com a perna sangrando, rastejava em direção a Lampião, mas foi arrastada pelos cabelos e levou uma coronhada na cabeça. Santo repassou o facão para Panta de Godoy (o outro companheiro cruel) para golpear Maria Bonita, tal qual um samurai. O sangue dos dois se misturaram na mesma lâmina formando um só coágulo. O massacre durou 20 minutos com gritos, fumaça, risadaria e os soldados ainda davam vivas à polícia e graças a Deus.

Cabeça rolada no chão em cima de folhas molhadas, os soldados sem nenhum escrúpulo, levantaram a saia dela com a boca do fuzil para ver o que ela vestia por baixo. Outro “macaco”, Wenceslau,   pegou os dois bornais dela. “Ele ficou com um e eu como o outro. No dele, estavam 99 contos e no meu, 18. No bornal de Maria do Capitão tinha mais de meio quilo de ouro. Peguei ainda a cartucheira e o cantil de Lampião e não devolvi”. Confessou.

E sem demonstrar constrangimento, Panta de Godoy descreveu mais detalhes das suas atitudes macabras como se feitos heroicos fossem. Depois da degola em Maria Bonita, “tive que bater no osso, saiu muito sangue, enfiei o dedo dentro do tutano e “barriei” (significa tapar), tudo porque era um branco danado. “O balaço que ela tinha levado saiu de lado e sangrava muito”. O copo foi pepinado ( como se faz em carnes bovinas para amaciar). O corpo de Maria Bonita sem cabeça, vestindo mescla azul, era vez por outra levantado numa distração macabra.

Em seguida e rápido, era feita à caça ao tesouro de modo pressuroso. Os dedos foram cortados para retirar os anéis. Os 11 corpos do bando e sem cabeças ficaram espalhados e abandonados ao redor da Grota de Angico, em Sergipe, servindo de banquete para os urubus. Isso aconteceu na quase madrugada de 28 de julho de 1938. Hoje, 76 anos depois, Maria Bonita é mito. Mitos não morrem.

13 Comentários

  1. Thiago

    Maria Bonita e Lampião foram um casal de bandidos, graças a Deus sim por suas mortes.

    Responder
    • Matheus

      Maria de acordo com uma das mulheres do cangaço que sobreviveram as caçadas era arrogante, ignorante, agia como homem e discriminava as outras cangaceiras, sem contar que ela foi a única mulher no cangaço que realmente participou das brutalidades de lampião e seu bando.
      Não querendo diminuir esses seres que são hoje em dia um tesouro nacional para o país.
      Mas de forma alguma deixe com que transformem bandidos sem lei em heróis não compreendidos

      Responder
  2. aelson

    Esse bando matou muitos inocente, fizeram com eles, o que eles fizeram com muita gente simples que só queria viver sua vida sofrida no sertão. Dizer que “A morte de Maria Bonita foi de uma crueldade sem tamanho. Nas Cruzadas da Idade Média a violência era menor…” é de uma ignorância esquerdopata tamanha, a história dos sobreviventes desse bando cruel também deveria ser contada….

    Responder
    • Dê

      Eu vi as cabeças meio que mumificadas / de Maria Bonita e Corisco, expostas numa cristaleira num tipo de museu no quartel do comando da PM de Sergipe! Vista mais macabra! Foram intimados a entrega-las às famílias pouco depois ( final de anos 70, acho)

      Responder
  3. Carlos Silva

    Justifica roubar dos bornais a quantia em dinheiro e ouro?
    roubar os abrisse Maria cortando-lhes os dedos.
    quem sao mais ladrões na história?
    Erros de todos os lados aconteceram.

    Responder
  4. Gleiciane

    Se era pra matar os bandidos, que matassem também os policiais das volantes que os perseguiam, quem em suas incursões pelo sertão, praticavam as mesmas crueldades que os cangaceiros que vitimaram tantos sertanejos. Policiais também destruíam plantações, matavam pessoas sob suspeita de acobertar cangaceiros, estupravam suas filhas… A violência era naturalizada, com a diferença que a da polícia era legitimada, como é até hoje, por discursos seletivos

    Responder
    • Thiago Floriano Barbosa

      Maria bonita e lampião serão sempre lembrados como eternos guerreiros que lutaram para acabar com as injustiças que o próprio governo fazia com a população

      Responder
  5. Elizeu Martins

    Nas volantes a maioria era de sertanejos em busca de vingança, ex coiteiros, ou bandidos que apostavam na sorte de matar um cangaceiro e tomar-lhe o jornal com toda a sua riqueza. Cortar as cabeças era exigência do estado para fazer o reconhecimento, uma vez que as perseguições eram feitas a pé, carregar um corpo era difícil, a princípio eram cortadas as orelhas, mas não era possível identificar por isso exigiam as cabeças. Existiam recompensas e outras recompensas por cada um dos cangaceiros, literalmente as cabeças valiam um prêmio. Não esqueçam, estes bandidos eram sanguinários, o grupo de Lampião matou mais de 500 pessoas com muita crueldade, roubaram, mutilaram, castraram e estupraram centenas de outros.

    Responder
  6. Sílvio Vieira Sapucaia

    O comentário de Gleiciane é o mais verdadeiro. A polícia praticava muitos crimes com pessoas inocentes e se passava por Lampiao porque até a roupa que vestia era igual.

    Responder
  7. Thiago Floriano Barbosa

    Maria bonita e lampião serão sempre lembrados como eternos guerreiros que lutaram para acabar com as injustiças que o próprio governo fazia com a população

    Responder
    • Rinaldo Andrade

      Não adianta tapar o Sol com a peneira, o que aconteceu com Maria Bonita e Lampião e seu bando, foi consequência de seus crimes cometidos, eles foram trucidados do mesmo modo como fizeram com quem atravessavam os seus caminhos, a lei de causa e efeito é implacável, ninguém espere plantar urtiga para colher manga.

      Responder
  8. Antonieta

    Eu acho engraçado esse povo que lê a história por cima e pela metade vir querer romantisar bandidos, ladrões, estupradores e sádicos. Nâo existe heroísmo em assassinos. A polícia da época valia tanto quanto esses aí. Nada. Pena que viveram tanto e ceifaram tantas vidas em seus caminhos.

    Responder
  9. Misael

    O nível dos comentários mostra que um século depois muita gente ainda permanece com o pensamento sanguinário.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *